Nunca se falou tanto em higienização das mãos como no último ano. A medida, indicada para prevenir diversas doenças, inclusive a covid-19, é muito eficiente, desde que realizada de maneira correta. Para comemorar o Dia Mundial de Higienização das Mãos, 5 de maio, a SMCC (Sociedade de Medicina e Cirurgia de Campinas) está divulgando um alerta e várias dicas, elaboradas pela Anvisa, para ajudar a população a fazer todo o processo corretamente, seja com álcool em gel 70% ou com água e sabão.

A higienização correta com álcool em gel 70% demora, em média, de 20 a 30 segundos. O álcool precisa ser nessa concentração porque a presença da água facilita a entrada do produto na bactéria, além de retardar a volatilização, permitindo um maior tempo de contato. Se utilizados água e sabão, são necessários de 40 a 60 segundos. Parece muito, mas é o tempo necessário para que todas as partes das mãos sejam limpas e secas. Durante a limpeza, independentemente do produto, é preciso higienizar as palmas, os dorsos, os dedos, os espaços entre os dedos e embaixo das unhas. Se a opção for pelo álcool em gel, a pessoa deve efetuar todos os movimentos e esperar pela secagem natural. Já no caso de água e sabão, após a lavagem em si, é necessário enxaguar e secar com papel descartável. Se a torneira utilizada exigir contato com a mão, ela também deve ser fechada com a ajuda de um papel descartável. O passo a passo pode ser acessado no material disponível no site www.smcc.com.br, em um banner que está na página inicial.

De acordo com o cirurgião pediátrico Rogério Fortunato, do Departamento Científico de Cirurgia Pediátrica da SMCC, lavar as mãos é um dos principais instrumentos de prevenção contra epidemias. Além do coronavírus (Sars-Cov-2), este hábito previne infecções de inúmeras doenças virais, parasitárias e bacterianas. “Os micro-organismos podem sobreviver por horas em objetos como corrimões, barras de apoio dos ônibus, nas superfícies dos celulares, maçanetas e mesas”’, comenta. “Manter a higienização constante das mãos pode evitar o contágio de muitas doenças, sendo que nem sempre o doente será você, mas alguém mais imunossuprimido que entra em contato com micro-organismos da flora transitória aderidos na sua pele”, completa Barros, que também é professor na equipe de Introdução à Prática Médica da Faculdade São Leopoldo Mandic.

Segundo o cirurgião, não há um número pré-estabelecido de lavagens diárias. Elas devem acontecer sempre que necessário ou quando há contato com áreas de risco. “Fora do isolamento, estamos dividindo um espaço coletivo e é importante pensar epidemiologicamente nos mínimos detalhes de comportamento. Em alguns países, é proibido encostar nas frutas que estão à venda. Espirrar, somente com a proteção do cotovelo, pois se utilizar as mãos (mesmo que com o lenço), aumentam as chances de os micro-organismos conseguirem outros locais para se reproduzir”, diz.

Além da higienização das mãos, é importante tomar outros cuidados que ajudam na prevenção de doenças, como evitar encostar em lugares desnecessários, principalmente em ambientes de grande fluxo de pessoas, como estádios, shows, teatros, cinemas, escolas, lojas, ônibus e metrôs. “O comportamento deve ser de mudança de hábitos, pois após a pandemia do Coronavírus, essa metodologia simples de prevenção ajudará também na diminuição de outras doenças”, reforça.

Conscientização das crianças

Para que as crianças compreendam a importâncias desses hábitos, o ideal é ter uma abordagem mais lúdica. “Se queremos mudar o futuro, devemos começar pelas crianças. O uso de máscaras com temas infantis ajuda a aumentar a adesão das crianças. Espirrar é normal para todos, mas poucos brasileiros protegem o espirro com o cotovelo, e isso deve ser ensinado nas escolas e nas casas das crianças”, orienta. “Os frascos de uso individual com temas infantis me parecem uma boa estratégia de deixar o ambiente mais leve e lúdico”, sugere o médico.

“Crianças absorvem rápido as mudanças e precisam entender o risco de passarem os micro-organismos invisíveis para os amigos e familiares mais comprometidos (idosos e imunocomprometidos). É função dos cuidadores explicar o porquê dessas novas orientações mundiais”, comenta. Para finalizar, Barros destaca que também é importante explicar às crianças os cuidados que devem ser tomados com o álcool em gel. “O risco no uso do álcool em relação às queimaduras também deve ser amplamente discutido antes de deixar os pequenos circularem com o frasco sem a presença de um cuidador responsável”, ressalta.

Espalhe por ai:
https://www.portalagenda7.com.br/wp-content/uploads/2021/05/washing-hands-4940196_1920-1024x682.jpghttps://www.portalagenda7.com.br/wp-content/uploads/2021/05/washing-hands-4940196_1920-150x150.jpgRedação Agenda 7DestaquesSaúde e Bem-estarNunca se falou tanto em higienização das mãos como no último ano. A medida, indicada para prevenir diversas doenças, inclusive a covid-19, é muito eficiente, desde que realizada de maneira correta. Para comemorar o Dia Mundial de Higienização das Mãos, 5 de maio, a SMCC (Sociedade de Medicina e...Portal de notícias de Sumaré e Região de Campinas-SP